Cruzeiro consegue liberação e Pezzolano poderá participar dos jogos na Série B

Compartilhe com seus amigos:

Cruzeiro consegue liberação e Pezzolano poderá participar dos jogos na Série B

A raposa conseguiu um efeito suspensivo para a condenação do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva que visa a suspensão do técnico Paulo Pezzolano. A saber, o treinador do Cruzeiro foi suspenso após acumular expulsões de campo na Série B, sendo a mais recente contra o Grêmio no empate em 2 x 2. Ainda assim, o treinador não fica livre de quaisquer futuras punições, visto que ele poderá estar em campo até o julgamento do Pleno.

Entretanto, o julgamento sobre a conduta do uruguaio ainda não tem data marcada, o que pode adiar o pagamento das suspensões do campo. O cabuloso havia entrado com o pedido do recurso no início da semana. Mesmo assim, ele não estará presente do duelo contra o Náutico no estádio Independente pela suspensão automática. Paulo compareceu virtualmente na sessão e deu seu depoimento sobre os ocorridos, como uma forma de defesa e esclarecimento do caso.

“Na verdade, nunca quis ofender o árbitro. Não falei isso 100%, mas foi o que ele escreveu. Às vezes, o treinador por ser tão sanguíneo, acaba perdendo o controle, comete erros. Quero pedir desculpas, por fazer uma coisa que ofende o árbitro. Mas ofender? Sinceramente, não. Mas quero pedir desculpas por passar por isso. Me dá vergonha”, afirmou.

Pezzolano participou virtualmente da audição do STJD sobre as atitudes do treinador cruzeirense

O técnico Paulo Pezzolano foi julgado, nesta quarta-feira (24), pelas expulsões em jogos do Cruzeiro contra CSA, pela Série B do Campeonato Brasileiro, e Fluminense, no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu o comandante da Raposa em três partidas.

Na súmula, o árbitro deu sua declaração dizendo que Pezzolano após ser expulso, invadiu o campo de jogo e dirigiu-se ao árbitro com xingamentos. Primeiramente, na derrota do Cruzeiro por 3 a 0 para o Tricolor Carioca, no Mineirão, Paulo recebeu ‘broncas’ do árbitro Raphael Claus antes de ser expulso, aos 42′ do primeiro tempo.

“Informo que, após ser expulso, o mesmo invadiu o campo de jogo, partindo em minha direção dizendo as seguintes palavras: ‘seus filhos da puta, vocês estão roubando, roubaram lá e estão roubando aqui também’ (repetindo por várias vezes)”, relatou o árbitro na súmula da partida.

“Esclareço que o treinador expulso teve que ser contido por seus atletas e pelo quarto árbitro da partida. Saliento que o mesmo já havia sido advertido verbalmente aos 36 minutos. Por fim, ao final da partida, o treinador expulso entrou no campo de jogo, vindo em nossa direção, pedindo desculpas pelo ocorrido”, completou.

Duelo contra o CSA

Outra súmula além da de Raphael Claus, como a do árbitro do jogo contra o CSA no primeiro turno também foi exposta no caso.

“Após receber um cartão amarelo por reclamar ostensivamente solicitando a intervenção do VAR, o mesmo (Pezzolano) me segurou pelo braço de forma desrespeitosa. Ato contínuo, apliquei o segundo cartão amarelo”, escreveu Flávio Rodrigues.

“O treinador me segurou pelo colarinho da camisa dizendo as seguintes palavras: “Seu cagão, seu merda, filho da puta, vamos resolver depois do jogo”. Informo ainda que durante todo este protesto o treinador precisou ser contido pelo seu auxiliar técnico”, completou.

Foto destaque; Divulgação/ Cruzeiro

Compartilhe como seus amigos:

Outras publicações de seu time: