Paulo Pezzolano explicou porque não utiliza Daniel Jr com mais frequência

Compartilhe com seus amigos:

Daniel Jr é um jogador que foi essencial para Paulo Pezzolano no início da temporada. Entretanto, vem perdendo espaço tanto pelos jogadores que emergeram na disputa, quanto pelas novas contratações. Nesta temporada, Daniel Júnior participou de 26 jogos do Cruzeiro, colaborando com quatro gols e três assistências.

Na vitória sobre o Tombense, o meio-campista deixou a sua marca. Aos 23′, Bidu recebeu na esquerda e cruzou forte. Daniel Júnior deu seguimento no lance e apareceu livre na área, dominando com a perna direita e finalizando com a mais forte, a canhota.

Após o jogo de sábado contra o Tombense, Paulo foi questionado porque não utiliza mais Daniel Jr, fez menção a intensidade que, em momentos aparecem, mas em outros é menor do que esperado.

“Eu acho que o Daniel Júnior tem futuro muito bom se ele logra jogar com a intensidade que jogou hoje (sábado). Para conseguir isso, ele não pode jogar tantos jogos seguidos, ele vai devagar e vai crescendo, o que tento é que ele jogue com essa intensidade. Se ele não joga com essa intensidade, qualquer outro é melhor que ele”

O técnico do Cruzeiro, Paulo Pezzolano, acredita que Daniel Júnior pode se transformar em um grande jogador, mas alertou que o meio-campista precisa de mais intensidade em seu futebol. O comandante celeste explicou por que não dá uma sequência grande de jogos ao jovem de 20 anos.

“Se ele consegue essa intensidade em mais jogos seguidos, ele vai ser um jogador muito bom, porque tem gol, tem passe para gol, tem chute de fora da área, tem bola parada. É um jogador interessante, mas tem que crescer muito. É um menino que pode ter um futuro muito bom se prepara a sua cabeça”, acrescentou Pezzolano.

Quais jogadores poderiam tomar o lugar de Daniel Jr

Em suma, como a intensidade do jogador foi algo destacado pelo próprio treinador, Daniel teria que se esforçar ao extremo para permanecer como titular. Além disso, outros jogadores apareceram na disputa com as contratações na janela de transferencia, como Rafa Silva além de Bruno Rodrigues, contratado ainda em julho. O atacante em um de seus primeiros jogos já marcou pelo clube, mas é necessário levar em consideração é que é mais experiente que Daniel.

 A intensidade é parte fundamental do jogo, mas nunca é a única medida de abordagem

A intensidade pode ser justificada por ser um jogador ainda muito novo, sem suas valências estarem polidas e bem estruturadas ao extremo, como sua perna canhota. No futebol, jogadores que utilizam a perna esquerda como a mais forte, ou a mais confortável de finalizar tendem a ser mais agudos e muitas vezes não tem recursos além de cortar para dentro e fora, sem utilizar a perna direita.

Assim, alguns exemplos podem ser vistos tanto atualmente, quanto antigamente. Pouco se lembra de Arjen Robben, canhoto que atuou no Bayern e muitas das suas jogadas de um contra um eram do mesmo jeito. Cortava para o centro e finalizava, mas mesmo assim era difícil de pará-lo por ter treinado o movimento várias e várias vezes. Caso Daniel Jr trabalhe melhor a parte da intensidade, assimilando ela com a movimentação, não será necessário que corra desenfreadamente por 90 minutos, e sim em momentos que o jogador discernir quando pisar no acelerador e não.

Foto destaque: Divulgação/ Cruzeiro

 

Compartilhe como seus amigos:

Outras publicações de seu time: