Após torcedores pularem catracas, Cruzeiro estuda soluções para impedir esta ação

Compartilhe com seus amigos:

Após torcedores pularem catracas, Cruzeiro estuda soluções para impedir esta ação

Na última terça-feira (28), o encontro entre Cruzeiro x Sport teve não só uma remontada em campo, mas uma invasão fora dela também. A saber, torcedores do Cabuloso pularam catracas para terem acesso ao jogo, com o que parece total consentimento dos profissionais de segurança ali presentes.

De acordo com o diretor de negócios da equipe Lênin Franco, a causa já foi mapeada e buscam soluções. Contudo, as medidas ainda não farão parte do jogo contra o Villa Nova na sexta-feira (1).

“Não vai estar resolvido (no jogo com o Vila Nova), porque não houve tempo hábil, mas a gente já tem tudo mapeado e agora a gente usa esse mapeamento para, ponto a ponto, ir resolvendo da melhor maneira. A gente tem todos os entrantes desse processo ciente do que precisa fazer. É diálogo nos próximos dias para amarrar cada coisinha e melhorar a experiência do sócio e do torcedor na entrada no estádio” citou Lênin.

Quais seriam as soluções para o problema?

Não é novidade no futebol que alguns torcedores todos os jogos invadem o estádio sem ingressos. Em alguns casos são capazes de provocarem aglomerações em um determinado ponto para conseguirem chegar até a arquibancada sem ingresso algum. Portanto, isso foi um dos pontos destacados nas câmeras de segurança do Mineirão, o que deve diminuir já que o clube comunicou à Polícia Militar, e esperam medidas serem tomadas.

“Uma coisa que a gente conseguiu monitorar é que há um grupo que se acumula perto da catraca e que já aguarda o caos. Ele fica posicionado de uma maneira que, quando o caos começa, ele ajuda a aumentar o caos para aí sim entrar sem ingresso” –  disse Lênin.

“É uma coisa que eu preciso alinhar com a polícia, porque como é que eu desmobilizo isso? Essa mobilização perto da catraca é de 300 pessoas. Num bloco de 17 catracas é muita gente. E quando cria esse caos a gente está falando do efeito manada. As pessoas ficam apavoradas, pulam, mesmo com ingresso na mão. O mais importante era saber quais eram os problemas. Agora é trabalhar e resolver”.

Além do mais, o torcedor pode ter uma parcela de culpa sobre isso, já que foi estipulado que mais da metade dos torcedores com ingressos entraram faltando 15 minutos para bola rolar. Causando acúmulos em áreas de acesso do estádio.

“Dos 39 mil (presentes), eu tinha 20 mil que até 21h15 não tinham entrado no estádio. Em 15 minutos tinha que entrar 20 mil no estádio. Por mais que ajuste o processo, nunca vai ser fluído porque é muita gente para entrar ao mesmo tempo. Temos que melhorar os processos para que o gargalo não seja a catraca”, comentou o diretor de negócios da raposa.

Alternativas para incentivar a entrada mais cedo

Em conclusão, Lênin afirma que procura formas de incentivar o torcedor a chegar mais cedo, evitando aglomerações. Como é o homem à frente do programa de sócios, está buscando recursos para favorecê-los cada vez mais. Salvo, não apenas torcedores comuns, mas também aqueles que fazem parte do clube tem se envolvido com situações como esta.

Assim, o diretor usou o exemplo do sócio-torcedor do Bahia que tem desconto em compras de bebidas alcóolicas no estádio.

“Lá em Salvador, o sócio do Bahia tem 50% de desconto na cerveja dentro do estádio. Ele paga R$ 3,50 na lata. É um preço próximo do que ele pagaria fora do estádio. Lá são sete latas de cerveja que ele pode comprar com 50% de desconto. Então, eu consigo trazer ele antes e evito o gargalo dos 15 minutos (antes de a bola rolar)”. exemplificou. Trazendo assim um ponto para ser abordado pelo clube como incentivo.

Foto destaque: Divulgação/ Cruzeiro

Compartilhe como seus amigos:

Outras publicações de seu time: